A técnica Swordfish no Sudoku

A técnica Swordfish no Sudoku

A técnica Swordfish (peixe espadarte) é uma estratégia avançada de eliminação de candidatos no Sudoku.
 
A sua aplicação resulta normalmente na solução de uma ou mais células na tabela fruto desta eliminação de possibilidades. Também pode simplesmente alterar a estrutura do jogo e permitir a utilização de técnicas mais simples para progredir no puzzle.
 
Para que o jogador possa aplicar a técnica Swordfish devem existir obrigatoriamente algumas condições na tabela. No entanto, quando somente uma não está presente, existe mesmo assim a possibilidade de aplicar as variantes Finned Swordfish e Sashimi Swordfish. Nestes casos a eliminação de candidatos é mais restrita, mas continua a ser possível.

Condições para aplicar a técnica Swordfish

A técnica Swordfish aplica-se apenas a 1 dígito e utiliza 3 linhas e 3 colunas.
 
A tabela deve conter 3 linhas ou 3 colunas nas quais esse dígito é candidato somente em 2 ou 3 células. Cada uma destas quadrículas deve estar unida a outra por coluna/linha. A forma geométrica criada por esta conexão não é importante.
 
Como o dígito tem apenas 2 ou 3 posições possíveis nessas linhas/colunas e as células estão unidas, a sua solução estará obrigatoriamente nesta cadeia de ligações. Esta ligação também implica que a solução para uma das células afetará diretamente as demais.
 
Ao assumir esta relação, o jogador pode testar as diferentes configurações que surgem quando posiciona um dos dígitos. Se após testar todas as possibilidades encontrar uma ou mais células nas quais o dígito não poderia ser candidato em nenhuma das configurações, poderá eliminá-lo das mesmas.
 
Esta é a base teórica desta técnica. Felizmente, o jogador não precisa perder tempo a testar todas as possibilidades porque o resultado é sempre o mesmo. Em todos os casos, o dígito nunca pode ser candidato nas demais células das linhas/colunas ligadas ao padrão original.

Padrão em linha

Padrão em linha

Este é o padrão em linha mais básico sobre o qual se pode aplicar a técnica Swordfish.
 
Nas três linhas destacadas a azul, o dígito é candidato a apenas três posições e cada uma das células está ligada a outra por coluna.
 
Dado que a solução para esse dígito residirá obrigatoriamente nas posições marcadas nas linhas em azul, já não poderá ser candidato nas colunas partilhadas por estas células.
 
Este padrão básico é o menos comum no Sudoku. Assim, em vez de procurá-lo, o jogador deve antes:
- Tentar encontrar 3 linhas nas quais o dígito é candidato em apenas 2 ou 3 células.
- Verificar se as células estão ligadas por coluna.
- Confirmar se cada coluna contém pelo menos duas células do padrão. Não é necessário que cada uma contenha 3 células das 3 linhas.

Exemplo prático

Padrão em linha exemplo

Esta tabela oferece um melhor exemplo do tipo de padrões que o jogador poderá encontrar durante um jogo de Sudoku.
 
O número 1 tem apenas duas soluções possíveis em cada uma das três linhas destacadas em azul. Como estas células estão ligadas por coluna, o jogador pode utilizar a técnica Swordfish.
 
Desta forma, o número 1 não pode ser candidato em nenhuma das colunas destacadas em vermelho. Os candidatos marcados com um círculo podem ser eliminados.

Padrão em coluna

Padrão em coluna

O padrão em coluna funciona exatamente da mesma forma que o padrão em linha, mas invertido.
 
Agora, o dígito tem de ser candidato em apenas 2 ou 3 células de três colunas distintas. Cada quadrícula deve estar unida a outra por linha.
 
Ao aplicar a técnica Swordfish, o jogador poderá eliminar esse dígito como candidato às células das linhas ligadas ao padrão original.

Exemplo prático

Padrão em coluna exemplo

Neste exemplo, o número 3 é candidato em apenas 2 células em cada uma das três colunas destacadas em azul. Além disso, cada uma destas está ligada a outra por linha.
 
Assim, segundo a técnica espadarte, o 3 não poderá ser candidato em nenhuma das células das linhas destacadas a vermelho. Os dígitos marcados com um círculo podem ser eliminados.

Técnica Finned Swordfish

O jogador pode aplicar esta variante da técnica original quando uma das linhas ou colunas do padrão espadarte contém uma célula extra com o dígito em análise.
 
Por exemplo, se o jogador procura a configuração 2/2/2, isto significa que o dígito será candidato a uma terceira célula numa das linhas/colunas. Se a configuração é 3/3/3, então uma das linhas/colunas terá 4 quadrículas com esse número.
 
Para poder aplicar esta estratégia, a célula extra deve estar posicionada sobre a cadeia de ligações do padrão espadarte tradicional e partilhar o grupo com uma das células da configuração base.
 
O jogador deve então questionar-se: Se célula extra é falsa e posso aplicar técnica Swordfish, quais os candidatos que poderia eliminar? E se é verdadeira, que candidatos é que elimina?
 
Os candidatos que seriam eliminados simultaneamente por ambas as respostas podem ser removidos.

Exemplo prático

Técnica Finned Swordfish

Neste exemplo, o número 7 na célula em amarelo impossibilita a aplicação da técnica Swordfish nas linhas destacadas a azul.
 
Contudo, está posicionado sobre a cadeia de ligações do hipotético padrão espadarte e partilha o grupo com uma das células base deste.
 
Questões: Se pudesse aplicar o padrão espadarte criado pelos dígitos a rosa, que candidatos é que poderia eliminar? Se o 7 é a solução para a célula em amarelo, que candidatos é que elimina?
 
Neste caso, o 7 marcado com um círculo vermelho seria a única eliminação partilhada pelas respostas a estas perguntas. Pode, por isso, ser removido.

Sashimi Swordfish

Esta técnica só pode ser aplicada quando o dígito é candidato somente em duas células de 3 linhas ou colunas distintas. Neste padrão, uma das quadrículas não está ligada às demais.
 
O ponto principal desta estratégia é que apenas se poderão eliminar candidatos dentro do mesmo grupo da célula isolada. A sua explicação é mais clara com um exemplo.

Exemplo prático e explicação

sashimi swordfish

Nesta tabela, o jogador tem três linhas (destacadas em azul) nas quais o número 2 é candidato apenas em duas células. No entanto, o 2 marcado a laranja na segunda linha não está ligado por coluna a nenhuma das demais quadrículas.
 
Para que existisse um padrão espadarte, a célula em amarelo com o número 5 teria de conter o 2 como candidato.
 
Com a técnica Sashimi o jogador deve analisar duas situações:
1. Só existem duas posições possíveis para o número 2 na segunda linha. Se o dígito a laranja for verdadeiro, então aqueles marcados com um círculo tornam-se imediatamente impossíveis.
2. Se o número 2 fosse candidato na célula em amarelo, haveria um padrão Finned Swordfish na tabela. O 2 em laranja seria, nesse caso, a célula extra. Se aplicar esta técnica com base nesta suposição, os números marcados com um círculo seriam impossíveis. (Note que a base desta suposição é o método Sashimi e este se aplica somente a grupos).
 
Conclusão: em ambas as hipóteses, os candidatos marcados com um círculo a vermelho seriam eliminados. Segundo a técnica Sashimi, podem, por isso, ser removidos.
 
 
A técnica Swordfish é bastante utilizada nos puzzles de Sudoku mais avançados dada a frequência do padrão espadarte nestes. É também uma das mais simples de entender. A principal dificuldade para o jogador será detectar o padrão necessário.
 
Esta técnica de resolução é, além do mais, uma das mais produtivas e úteis, especialmente quando aplicada nas fases finais do puzzle. Se o número de candidatos por célula for reduzido, maior será a probabilidade de que esta estratégia resulte na descoberta da solução para uma ou mais quadrículas.

Sudoku Genius
Jogo de Puzzle Lógico Clássico
by Appgeneration Software
rating starsrating starsrating starsrating stars
google play
apple store