7 erros comuns no Sudoku: as armadilhas para principiantes

erros comuns no Sudoku

A noção de erros comuns no Sudoku pode parecer estranha, mas a verdade é que estes existem. Em teoria, a clareza e simplicidade das suas regras não deixam margem para dúvidas e equívocos, mas este é um quebra-cabeças e, como tal, também tem as suas armadilhas. Os principiantes que ainda se estão a ambientar à dinâmica deste jogo são as vítimas mais usuais destes truques e precisamente por esta razão, devem estar atentos a estes 7 erros comuns.

1. Tentar adivinhar a solução

Por vezes, o jogador sente-se tentado a posicionar um número na tabela, sem que para tal exista uma razão lógica. É apenas um feeling de que aquela será a solução. Quando a inclusão desse dígito desbloqueia de imediato outras opções, a tentação torna-se ainda maior.
 
A sorte está normalmente do lado dos audazes e o jogador até pode adivinhar a opção correta. No entanto, há também uma grande probabilidade de se equivocar e um erro no Sudoku pode não imediatamente identificável.
 
Pode ser necessário chegar ao final para se descobrir uma incongruência ou repetição numérica. Neste caso, todo o esforço e tempo dispensado na resolução desse puzzle foi em vão. Ao tentar adivinhar a solução, o jogador tornou a tabela impossível de resolver.
 
O Sudoku é um jogo de lógica e só esta conta na sua resolução.

2. Evitar grupos em branco

Um jogo de Sudoku pode iniciar com grupos (quadrados de 3 x 3) sem qualquer pista. Neste tipo de padrão, os números dados ao princípio estão normalmente concentrados, o que leva o jogador a acreditar que a resolução dessas áreas mais preenchidas será mais fácil. Este é um dos erros comuns no Sudoku cometidos por principiantes, que não veem neste grupo em branco uma armadilha mental.
 
O jogador apenas precisa de parar um momento para perceber onde está o truque.
 
Preencher um grupo sem pistas pode parecer difícil à primeira vista, mas, dado que todos os números estão concentrados em seu redor, isto significa que haverá mais informação nas colunas e linhas ligadas a este. Iniciar o puzzle a partir desta área pode, por isso, ser mais produtivo e fácil.
 
Exemplo

Evitar grupos em branco 1

Evitar grupos em branco 2

Este é um bom exemplo de como pode ser prolífico iniciar a resolução de um Sudoku concentrando-se num grupo vazio.
 
A solução para o número 8 neste grupo é dada desde o princípio. Ao colocar este dígito na tabela, o jogador desbloqueia a solução para o número 3 nesse mesmo grupo, sendo que este dígito revela a posição do número 9.
Três movimentos, três soluções. Para alcançá-las o jogador não teve de usar apontamentos ou um pensamento lógico, apenas seguir a regra básica do Sudoku que determina que um dígito não pode ser repetido por grupo, linha ou coluna.

3. Concentrar-se na parte e esquecer-se do todo

Concentrar-se na resolução de cada grupo individualmente e preencher cada célula com os seus possíveis candidatos é uma estratégia que permite ao jogador organizar uma sequência lógica durante o jogo. Contudo, é necessário ter cuidado para não se perder contexto geral da tabela.
 
Esquecer-se de utilizar a estratégia de contagem é o erro mais comum nestes casos. Por vezes, quando um dígito é candidato em várias quadrículas dentro de um grupo, algo tão simples como contar os dígitos em falta numa coluna ou linha ligada a esse conjunto pode revelar a solução.
 
Exemplo

Concentrar-se na parte e esquecer-se do todo

Neste exemplo, o jogador apontou todos os candidatos no grupo do meio, do lado direito. Uma análise superficial parece revelar que nesta fase ainda não é possível encontrar qualquer solução dentro do mesmo.
 
Contudo, ao aplicar a técnica da contagem sobre uma das linhas ligadas ao grupo em questão, é possível determinar qual a solução para o número 3, apesar de este ser candidato em três células.
 
A interação entre o todo e as partes produziu resultados onde uma análise localizada foi infrutífera.

4. Não avaliar individualmente linhas e colunas

Este erro advém do anterior, mas torna-se mais premente nos níveis ou fases mais avançadas do Sudoku.
 
Quando existem muitas incógnitas e a tabela contém muitas anotações, analisar as linhas e colunas individualmente não se traduz necessariamente em soluções, mas pode ajudar na eliminação de candidatos.
 
Nestes casos, o jogador deve procurar dígitos que sejam candidatos apenas em células confinadas a um grupo. Como a solução para esse dígito estará obrigatoriamente nessas células, o mesmo não será uma possibilidade noutras quadrículas desse grupo que não estejam alinhadas na coluna ou linha em análise.
 
Exemplo

Não avaliar individualmente linhas e colunas

Neste exemplo, o número 5 é candidato em apenas duas células na coluna destacada e ambas pertencem ao mesmo grupo. Este dígito pode assim ser eliminado como candidato à restantes células deste conjunto que não estão inseridas na coluna em análise.
 
Note-se que, neste caso, a redução de possibilidades para o número 5 desbloqueou uma solução na coluna imediatamente à esquerda daquela destacada. A remoção dos candidatos a vermelho deixou o 5 como candidato apenas na quadrícula superior dessa coluna.

5. Não identificar pares ocultos

Não identificar pares ocultos é um dos erros comuns no Sudoku cometidos tanto por jogadores experientes como por principiantes.
 
Em termos básicos, um par oculto ocorre quando um par de dígitos tem apenas duas soluções possíveis dentro de um grupo, mas está acompanhado de outros candidatos, o que dificulta a sua identificação.
 
A vantagem imediata de encontrar pares ocultos é a possibilidade de eliminar os demais candidatos nessas células para deixar apenas os dígitos que compõem os pares. O jogador pode então descobrir, por exemplo, que um dos candidatos eliminados passou a ter apenas uma possibilidade, ou seja, a solução para o mesmo.
 
Quando estes pares estão alinhados numa coluna ou linha, o jogador pode ainda eliminar esses dígitos como candidatos a outras células nessa mesma coluna ou linha.
 
Exemplo

Não identificar pares ocultos

No grupo destacado, os números 7 e 6 formam um par com apenas duas posições possíveis. O jogador está assim diante de um par oculto.
O passo seguinte será eliminar os candidatos 1/8 e 8/9 dessas células e deixar apenas o par.
 
Neste exemplo, o par oculto está alinhado na mesma linha, pelo que o 6 e o 7 já não poderão ser candidatos a outras quadrículas na mesma.

6. Evitar usar anotações

Os níveis mais fáceis de Sudoku podem ser resolvidos sem recurso a anotações. Nestes puzzles é apenas necessário utilizar um raciocínio lógico simples e estar minimamente concentrado para conseguir preencher a tabela. Talvez por isso, muitos principiantes acreditam que estes apontamentos não são necessários e que podem até ser considerados como uma certa batota.
 
Entre os benefícios de jogar Sudoku encontram-se o aumento da capacidade de raciocínio lógico e de memória, fazendo com que estas anotações pareçam progressivamente menos úteis. Em níveis fáceis e até intermédios esta perda de utilidade é real, mas o mesmo não se verifica nos mais avançados. Pode ser mesmo impossível resolver puzzles de níveis difíceis sem a ajuda visual destas notas, uma vez que o número de candidatos por célula aumenta exponencialmente.
 
Usar anotações não é fazer batota. É dar ao cérebro a possibilidade de analisar várias opções e caminhos de uma só vez e assim continuar a estimular o seu desenvolvimento cognitivo.

7. Não atualizar as anotações

Ainda sobre o tema das anotações, há que frisar que muitos erros comuns no Sudoku resultam simplesmente do esquecimento as atualizar à medida que o jogo avança. Isto é válido tanto para jogadores principiantes como para os mais experientes.
 
Normalmente este esquecimento não advém de uma falta de concentração, mas antes da ânsia de completar a tabela rapidamente.
 
Quando o preenchimento de uma quadrícula desbloqueia de imediato a solução para outra, o jogador tende a continuar esta cadeia de soluções, sem parar para atualizar as suas notas.

No final, é comum que encontre novamente bloqueado e incapaz de identificar únicos solitários ou pares solitários por culpa do excesso de anotações que já não deveriam estar presentes na tabela.

Como resolver um erro na resolução de um Sudoku?

Mesmo quando um jogador segue todas as regras e tenta evitar erros comuns no Sudoku, é possível que, em determinado momento, se depare com uma impossibilidade ou com um dígito repetido na tabela. Nestes casos, a culpa recai normalmente sobre alguma falta de concentração.
 
Infelizmente, não existe uma solução fácil para resolver o problema. Quando encontrado atempadamente, o jogador é capaz de retroceder um ou dois passos, identificar e corrigir o erro e prosseguir com o puzzle.
 
Contudo, se ao rever os últimos passos o problema não se torna evidente, o ideal será recomeçar a resolução desse Sudoku desde o início, uma vez que a cadeia de erros já se terá tornado demasiado complexa.

Sudoku Genius
Jogo de Puzzle Lógico Clássico
by Appgeneration Software
rating starsrating starsrating starsrating stars
google play
apple store
Sudoku Genius
Jogo de Puzzle Lógico Clássico
by Appgeneration Software
rating starsrating starsrating starsrating stars
google play
apple store

Mais dicas Sudoku: